domingo, 23 de setembro de 2012

Elefante - Anfisbena




Amigos, eis aí a minha nova cria. "Elefante" é um livro artesanal, em capa de papelão, buscando ao máximo se afastar desse mercado que só faz produtos padronizados, idênticos. Trata-se de uma edição limitada: somente 30 exemplares. O valor é de $ 15 reais mais correio! Segue um poema:


Quebra-cabeça


1
Com Super Bonder®
por de pé o esqueleto da ave:
ofício repleto de ócio –
horas sobre ossos ocos
roídos por secreta mágoa

(o ar e o uso)

Silêncio do bico desgastado pelo canto
O formol roubou o brilho das penas
Largo gesto de asas, premeditado
O olho olha a parede e não vê

Mente quem diz: parece vivo


2
Palavra por palavra
para por de pé o poema:
bateia roendo o leito do rio

(o anel & o piercing
– de amores extintos –
resgatados para brilharem
   – again and again
sobre uma luz cada vez mais fraca)

Palavra por palavra
para por de pé o poema:
broca em busca da cárie

3
Nada de novo no front
as palavras de sempre
sobre nova maquiagem

como mulher de revista pornô
: punheta para photoshop

Nada de novo no front
o poeta se gabando por
descobrir terra já cartografada –

habitada por centenas
milhares de babacas.


2 comentários:

Adriandos Delima disse...

meu "verso" preferido aqui foi: punheta para photoshop. mas acho que tu podia tirar uma grana desta gente pela publicidade grátis, eh eh. mais ainda do pessoal que faz a cola. aliás, espero que teu livro artesanal não seja colado com super-bonder, a não ser que exista uma maneira de colar que não conheço ainda. Minha poesia, se eu fosse definir, a chamaria de anti-propaganda. Quanto à tua poesia, aguardo poemas teus para publicação em meu blog, que tá parecendo uma stalingrado arrasada e precisando de reforço. Parabéns Rafael pela ideia do trabalho com "reciclados", etc. Parabéns pelo trabalho concluído. Um abraço. E diz quem criou a capa. Gostei demais.

Eliane F.C.Lima disse...

Seu texto me sabe (saber no sentido de sabor, como usam tanto os portugueses) a Dali, a torrente que sobe do inconsciente e se explode na realidade.
Eliane F.C.Lima