quarta-feira, 15 de julho de 2009

Os Agentes B

Dino Valls - la nave de los locos

para Rodrigo de Souza Leão
(04/11/1965 - 02/07/2009)


1 – TOP SECRET

O poeta trazia um chip escondido no corpo.
Aos 23 soube que era rastreado –

numa sala escura um monitor Toshiba
piscava uma luz verde que era ele:

se súbito virasse à esquerda
e corresse até o tênis acabar eles saberiam.

Mergulhar por dias em piscina, de escafandro,
ou enfiar o dedo na tomada não adiantava –

era a prova d’água, imune ao curto-circuito.

A luz continuaria piscando, indicando
aos agentes que ele estava onde estava.

Com a faca arrancá-lo seria em vão.
Outro seria posto no lugar do primeiro –

à noite, pelo pai; ou num ato violento por eles.

Novamente internado, voltaria
com a tecnologia re-implantada –

up grade da versão dois ponto zero,
mais moderna, com sinal via satélite.

2 – Fuga e outros movimentos

Certo dia, perseguido por todos,
desceu correndo os treze andares da CEF,
contando cuidadosamente cada degrau.
(Diante do impasse, quase voltou para conferir)

Os macacos em seu encalço
– mordendo o calcanhar do tênis Nike –
seria uma prévia de tantas outras perseguições.
(Análogas às exibidas na Sessão da Tarde)

Aquele era o momento de lamentar não ter fu-
gido com Rimbaud – companheiro de manicômio
onde trocavam figurinhas do time do Flamengo.
(Álbum Campeonato Brasileiro, 1989)

3 – Necrológio

Acordou vinte anos depois
– ressaqueado de Haldol –
seu nome inscrito no obituário.

Levantou da cama
– a hora havia chegado –
e comunicou a todos que iria morrer.


*

33 comentários:

Márcia(clarinha) disse...

e morreu_______ou nasceu a paz.

beijos

Ana disse...

Muito bom, Rafael! "Necrológio" é de um acerto absurdo!

Ana disse...

Em tempo, digo de acerto enquanto resolução das palavras e versos.
Sim, pq ele realmente se levantou e se despediu do mundo. É maluco pq é outro acerto.

Flávio Otávio Ferreira disse...

Muito bom o poema. Merecida homenagem.

célia musilli disse...

Bonito, sensível, preciso e verdadeiro...tanto quanto Ele. Um beijo!!!

dade amorim disse...

Os poemas são exatos, Rafael, perfeitos, falam de Rodrigo. Mesmo se tê-lo visto pessoalmente, era fácil para mim entender o que se passava com ele. Uma barra. Numa hora dessas a gente gostaria de acreditar no paraíso.
Beijo pra você.

Fred Matos disse...

O Rodrigo já é eterno, Rafael. Seu poema homenagem atesta.
Abração.

livia disse...

olá poeta,bela homengem,sensível poema.Bom conhecer pessoa assim,que aumenta a nossa sensibilidade,né?Abração .livia

Adriana Godoy disse...

Belíssima homenagem a esse escritor que tão cedo nos deixou. Parabéns, poeta por sua arte. Beijo.

Héber Sales disse...

Bela crônica de uma vida incrível. Abraços!

isaias de faria disse...

olá rafael, sou amigo do cássio, ele e o ricardo wagner vieram num sarau aqui em bh e o cassio me contou como foi gratificante a ida e vcs ao rio, especialmente o papo com o rorigo. gostei muito do poema, achei cheio de sensibilidade. abraço, isaias

Paulo Viggu disse...

O Poeta chipado e o monitor Toshiba, os 13 andares da CEF e vinte anos depois comunicar o ato final: ações contemporâneas em 3 atos. Parece que vivemos assim. Comente "E agora?" - Faça como quiser - Abraço poético - Riodaqui/PauloViggu
http://br.myspace.com/pauloviggu

Caim disse...

Muito tempo nao vinha aqui nesse blogger pq nao tinha muito animo nos ultimos meses... derrepente chego aqui e me deparo com esse poema... Um guerreiro se foi... é fato; a luta, continua.

Bárbara Lia disse...

oi Nolli, copiei esta homenagem e publiquei lá no meu espaço...
bjs
Bárbara

Cássio Amaral disse...

mano,

vou copiar e publicar no meu blog junto com os da coletânea.

braços do meu abraço.

rosa pena disse...

Emocionada agradeço a você esse carinho pro nosso Rod que era o representante legal do carnho.. um beijo/ rosa

BAR DO BARDO disse...

mutcho 10

jorge vicente disse...

caro amigo, que bela homenagem ao rodrigo!!!! você é genial!!!

um grande abraço
jorge

Texto-Al disse...

perfeito este poema:)

Tiago

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Pedro Pan disse...

, bela homenagem.
, estou aqui admirando seus poemas... poesia engajada que flerta com surreal, pelo menos para meus olhos...
, abraços meus.

Adriana disse...

RAfael,
Muito bom, vc tem uma consicencia impressionante para a escrita.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
f@ disse...

Sublime essa homenagem…

As pa l a v r a s que não deixam apagar as !magens
B E L O o branco no cinza e as linhas perfeitas até ao !nfinito

Adorei vaguear por aqu!
Descob®i o teu blog lá no poema – O TROGLODITA DOS PANTANOS…dedicatória do Chico …
parabéns… imenso beijinho

Paola Vannucci disse...

Nolli,

estou aqui tb sou solidária ao poeta , soube atrav´s do Cássio.

Tb me atuaLizei na sua escreita

beijos

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
isaias de faria disse...

rafael, muito obrigado pela visita. vc me parece uma pessoa muito boa,admiro isso também no cássio. quano ele vier em bh, apareça p batermos papo e tomarmos umas biritas. valeu!

Linda Graal disse...

é sempre emocionante lembrar do Rodrigo...é sempre bom ler poemas teus... = adorei! ;)

Rubens da Cunha disse...

poema à altura do homenageado. e mesmo desconhecendo o Rodrigo, o poema consegue ser grande. parabéns

Luciana disse...

Não sei nada da sua história,da história do homenageado,mais sei o que li,e gostei.

valéria tarelho disse...

parece fictício, mas é a pura realidade, redesenhada em belos poemas.
parabéns, Nolli, pela sutileza e sensibilidade no trato com as palavras, que versejam os fatos com exata leveza: a necessária para o equilíbrio entre o caos interior e a coerência.

não era amiga íntima do Rodrigo, apenas o conhecia de grupos literários ao qual pertencíamos, mas acompanhava seu trabalho de perto, especialmente a poesia.
a morte foi quem me revelou o ser humano incrível, através dos relatos de amigos, das inúmeras homenagens [inclusive participei de uma, na Casa das Rosas] e do evidente buraco que ficou no espaço que era dele. e só dele.

obrigadão, por me indicar esta leitura :))

beijo!