quarta-feira, 7 de setembro de 2011

2 [curriculum vitae]


foto Martin Gabor

Acaso tivessem nascido no Camboja
sobre a égide do Khmer Vermelho
teriam herdado terra & poder

Eram porcamente alfabetizados –
o pouco que sabiam, o sabiam mal,
exceto o tempero da dor e seus requintes

A eles restavam os prazeres gratuitos:
incendiar um supermercado e,
aos chutes, por fim à vida de um cão

Enquanto suas mães – em segredo –
lastimavam o dom da maternidade
e maldiziam o fruto do próprio ventre


___


Para ouvir:
video


14 comentários:

isaias de faria disse...

verve de poeta revolucionário. olhar latente.

Henrique Pimenta disse...

peso
pesado

dade amorim disse...

Uma brabeira.
Abraço pra você.

Francisco Coimbra disse...

«porcamente alfabetizados», imagem forte - ilustrativa! "curriculum a a(com)panhar… em fragmentos? Momento com fragas, despenhadeiros...
Abraço companheiro!!

jorge vicente disse...

um poema fortíssimo, camarada!

grande abraço!
jorge

sidnei olivio disse...

Grande poema, como sempre, meu caro Nolli. Seus poemas enfeitiça e faz pensar. Abraço.

livia disse...

e sempre bom saber que o poder das ideias revlucionárias naos se apagram de todo.vivemos um tempo de cópias e fotocópias;clones,imitaçoes deixando o espirito critico na escuridão .abraço.

Joakim Antonio disse...

A voz do poeta nunca se cala, ainda bem pois ela sempre faz eco.

Perfeito como sempre Nolli!

Paola Vannucci disse...

Brasil aqui representado neste poema, seja assim Nolli, sempre forte nas palavras

beijos

Glauber Vieira disse...

Belo texto, sintetizou bem a situação no Camboja, naqueles tempos.

carmen silvia presotto disse...

Estar aqui e colher tua poesia me arregala os versos...um beijo e sempre carinho Nolli.

Carmen.

Eliane F.C.Lima disse...

Querido Nolli,
Fiz hoje uma postagem, cujo poema dediquei a você (http://poemavida.blogspot.com). Estou, particularmente, em um momento de luta, em que preciso de toda a coragem. O prefeito de nossa cidade pretende entrar com uma lei e colocar abaixo todos os nossos direitos adquiridos, prejudicando, principalmente, os funcionários aposentados. Necessito dessa sua alma jovem ecombativa. Fiz um link para cá.
Eliane F.C.Lima

Eliane F.C.Lima disse...

Querido Nolli,
Já foi até lá ver o poema dedicado a você? Vi agora que tem a idade de meu filho, que também nasceu em 1980.
Um grande abraço,
Eliane F.C.Lima

Nayara Borato disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Azues. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/